Férias no Brasil só para os fortes! – Coluna Catarses Crônicas

Vânia_perfil.jpg

As minhas férias, infelizmente, já terminaram, e, claro, além de dar um pulinho na minha Beagá, passei uns dias na praia. Não em Guarapari, onde baixa a mineirada no verão, mas em Florianópolis, onde temos parentes.

Viajar é turismo, ainda que seja para se hospedar em casa de parentes. E o turismo pressupõe uma série de atividades, com destaque para a gastronomia e a venda de souvenires ou produtos da terra. Turismo pressupõe ainda toda uma infraestrutura para receber os “forasteiros”, pessoal local preparado para lidar com gente, e gente com os mais diversos costumes, vinda de tudo quanto é lugar. Infelizmente, nosso Brasil não tem os requisitos mínimos necessários para receber bem o turista, nem para fazê-lo voltar, nem para que o turismo contribua significativamente com o PIB.

A começar pelos aeroportos, parte fundamental da infraestrutura mínima. Tomemos Florianópolis como exemplo. Pouco antes da aterrissagem de nosso voo, a comissária avisou que a bagagem seria restituída na esteira de número 1. Francamente, o aviso não era necessário: só há uma esteira em Floripa, sendo que a chegada dos voos, geralmente, se dá com poucos minutos de diferença, o que resulta numa multidão se espremendo num espaço mínimo para alcançar as malas. É um aeroporto em que os embarques e desembarques só podem ser feitos com escadas, pois não há fingers. As lojinhas são minúsculas, apertadas e vendem mais do mesmo, nada de arte local, como as rendas de bilro, por exemplo. Esse tipo de artesanato está em perigo de extinção no Brasil, mas se houvesse um incentivo para produzi-lo para turismo, com venda no aeroporto, estou certa de que o número de rendeiras seria maior.

Em geral, os locais mais turísticos no Brasil possuem aeroportos incapazes de atender à demanda adequadamente. Com a Copa do Mundo, o aeroporto de Guarulhos melhorou sobremaneira, e parece estar à altura de ser o maior e mais importante do Brasil. Brasília, agora, tem um aeroporto digno da capital do país, que recebe diplomatas do mundo inteiro. Congonhas já está com jeitão de aeroporto internacional, apesar do porte. Mas o Galeão e Confins ainda que tenham sido reformados, estão muito aquém da nomenclatura “internacional”. Ainda não estive no nordeste depois da Copa, mas tenho cá minhas dúvidas se deram o salto necessário.

Sobre o pessoal in loco, o que dizer? Poucos falam inglês e muitos turistas acabam “presos” aos resorts, verdadeiras “ilhas” onde há gente melhor preparada. Taxistas falando inglês, então… Raridade.

Nossas paisagens também nos garantem como bom destino turístico, mas muitos lugares legais não possuem acesso à internet e, em alguns casos, sequer telefone. O transporte público, na maioria das cidades brasileiras, é fraco, sendo sofrível em muitas delas (como Brasília, por exemplo).

Segurança? Dispensa qualquer comentário, ainda mais que o Brasil contribui com 21 das 50 cidades mais violentas do mundo. E elas são superturísticas: Fortaleza, Natal, Salvador e João Pessoa, para começar. Seria inesperado se o Brasil não estivesse entre os 15 países mais violentos do mundo, com taxa de 32,4 homicídios para 100 mil habitantes (dado divulgado pela ONU em 2014). Na gastronomia até que nos saímos bem. É o que salva, isto é, se as cozinhas dos restaurantes não forem visitadas, claro.

Transporte público é um problema seriíssimo! Poucas cidades contam com metrô decente, que leve as pessoas aos seus pontos turísticos. Só São Paulo e Rio de Janeiro. O uso de ônibus fica prejudicado por vários fatores, incluindo inconstância de horários, falta de um catálogo em inglês com os itinerários e a possibilidade de assaltos. Andar de táxi parece ser a opção, mas os taxistas são despreparados, marrentos e ainda dão voltas para cobrarem mais. Isso sem falar dos acontecimentos em relação ao Uber: parece que parte dessas pessoas que nos transportam a preços exorbitantes são violentíssimas e homicidas até. O Uber seria uma excelente opção, mas num país em que coisas muito estranhas acontecem, tipo grupos de pressão garantindo nicho de mercado, esse serviço não é legalizado por aqui, apesar de funcionar em quase 70 países e estar em plena expansão.

Em 2014, parece que houve um aumento de 1,0 milhão de turistas em relação a 2013, impulsionados, claro, pela Copa do Mundo. Parece que fechamos 2014 com a visita de 7,0 milhões de pessoas vindas de outros países, nada, perto dos 36,3 milhões de turistas que visitaram a Espanha só até julho! Aliás, parte da recuperação da crise espanhola é devida ao turismo.

O Brasil é 16 vezes maior do que a Espanha, tem um litoral quase duas vezes maior do que o da Espanha e deve receber um décimo dos turistas que o país europeu recebe anualmente. Qual é a nossa desvantagem? Além da violência (deve dar medo vir aqui), salta aos olhos a falta de políticas públicas eficientes, de incentivo às pequenas empresas e de formação de pessoal qualificado. Mas a verdade é que se não existe infraestrutura mínima para quem vive aqui, para o genuíno cidadão brasileiro, para os estrangeiros é que não há mesmo! Se um estrangeiro chega ao Brasil sem uma mínima noção de português ou sem um bom guia, está perdido. Literalmente.

Quando voltei da Espanha, onde fiz sozinha parte do Caminho de Santiago de Compostela, me perguntaram se não tive medo. Na verdade, nem me lembrei de sentir medo. A sensação de segurança nas trilhas, ou na beira do asfalto ou nas cidades e vilas, era a mesma: altíssima. Não é pra menos, a taxa de homicídio por lá é de 0,7 por 100 mil habitantes! Corro 38 vezes mais perigo no Brasil do que na Espanha! Socorro! Acho que isso explica por que as pessoas não se interessam pelo Brasil como destino de férias. Detalhe: internet funcionando nos locais mais ermos possíveis! Coisa que não temos no Brasil meeeesmo!!

Vir ao Brasil como turista, portanto, é tarefa para os fortes, destemidos, aventureiros ou desinformados.

Bom fim de semana procês!

Vânia Gomes é mineira de Belo Horizonte e vive em Brasília desde 2001, quando se apaixonou definitivamente pela cidade. Aventura-se na escrita de contos, poemas e crônicas e é autora do livro “Histórias do Vaticano e Outros Contos”. Para conhecer mais sobre a escritora, acessehttp://www.vaniagomes.com.br. E-mail- vania@vaniagomes.com.br

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s