Informamos o falecimento do escritor pioneiro, Luiz Carlos de Oliveira Cerqueira

10464339_305015336334244_1803099268101701321_n

“FATALIDADE N° 84, OP.78, N° 1

Há sempre um dia em que partimos.

Nesse dia levamos conosco uma lágrima de esperança

e para os que sentem a nossa ausência,

deixamos, num sorriso, a saudade.

Você vai partir — eu queria esconder isto de mim,

queria mentir para a minha ilusão;

você vai, de malas prontas, tomar o trem da esperança;

você vai partir sorrindo, sorrindo…

Talvez nem se lembre de ter saudades,

talvez nem saiba mesmo que alguém terá saudades,

pois há uma espécie de fatalidade em nossas vidas:

— Há sempre um dia para sentir saudades,

pois há sempre um dia em que nos partimos

Extraído de

SOLIDÃO DAS HORAS – São José dos Pinhais, 1991″

 

É com todo pesar que vimos trazer a triste notícia do falecimento de nosso querido amigo, o escritor e pioneiro do Sindescritores, Luiz Carlos de Oliveira Cerqueira. Ele recebeu o número de matrícula número 45.

Ele parte deixando-nos muitas lições de amor, amizade, profissionalismo, ética e humanidade.

As pessoas são insubstituíveis em sua existência, e quando são especiais, além da falta que fazem àqueles que as amam, deixam o mundo mais pobre. Sem o nosso amigo, o mundo perde um pouco do seu brilho, alegria e cor.

Não temos palavras para expressar os nossos sentimentos. Pedimos a Deus que conforte o coração dos familiares e amigos neste momento de dor e os console e lhes dê serenidade para atravessar esta tempestade.

A Deus pedimos também que dê ao nosso amigo o merecido repouso eterno em seu reino. Muito respeitosamente, prestamos as nossas condolências e deixamos os nossos mais sinceros pêsames.

Ele nasceu no dia 28 de janeiro de 1935 em Monte Serrat, Mun. de Governador Levy Gasparian – RJ. Premiado em pintura, crônica e poesia.

Livros editados: “Solidio das Horas” (1990)- EDITEL Listas Telefônicas, Curitiba; “Além da Curva, a Saudade” (1997) – idem; “Quando Houver Nunca Mais” (2002) – Thesaurus Editora, Brasília.

Participou de muitas antologias no Brasil e em outros países, destacando-se as editadas pelo Instituto da Poesia Internacio nal, Porto Alegre; “Brasília; Vida em poesia” (1996) – Valci E ditora, Brasilia; “Pensar em Arte e a Arte no Pensar” (1997) – Univ. de S. Francisco, Bragança Paulista; “Espejos de la Pa labra/Espelhos da Palavra” (1999) – SUReditores, Montevideu; “Letras de Babel” (2001) – Ediciones Pilar, Montevideu; “Prêmio SESC de Poesia” (2002) – Edit. do SESC- Brasília. É verbete da “Enciclopédia de Literatura Brasileira” (2001), de Afranio Coutinho e J. Galante de Souza, São Paulo;”Dicionário de Escritores de Brasília” (2003), org. por Napoleão Valadares.

As informações sobre ele foram extraídas do site de nosso querido Antonio Miranda.

Anúncios